Exclusivo Cartão Marisa - 25% acima de 100 - site todo
29/05/2020 às 15h58min - Atualizada em 04/06/2020 às 00h58min

Planos de saúde serão obrigados a cobrir mais seis exames para covid-19

Maioria dos testes diagnósticos já são de cobertura obrigatória, mas alguns destinados à atenção de pacientes graves ainda estavam de fora

Por Estadão Conteúdo
Exame
Créditos da Imagem: Lucas Ninno/Getty Images

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) incluiu mais seis exames de auxílio no diagnóstico e tratamento do novo coronavírus na lista de coberturas obrigatórias dos planos de saúde. A decisão foi tomada pela Diretoria Colegiada da agência na quarta-feira (27/05/2020) e está formalizada no Diário Oficial da União.

A resolução determina que, a partir desta data passam a ser de cobertura obrigatória para os beneficiários de planos de saúde nas segmentações ambulatorial, hospitalar e referência os seguintes testes: Procalcitonina (dosagem); pesquisa rápida para Influenza A e B; PCR em tempo real para Influenza A e B; pesquisa rápida para Vírus Sincicial Respiratório; PCR em tempo real para Vírus Sincicial Respiratório; e Dímero-D.

Em nota, a ANS explica que a maioria dos testes diagnósticos citados nas diretrizes do órgão já são de cobertura obrigatória no âmbito da saúde suplementar, mas observou que alguns testes destinados à atenção de pacientes graves, que podem impactar na conduta terapêutica, não estavam listados no rol de coberturas mínimas dos planos de saúde ou, quando já incluídos, não contemplavam pacientes com quadro suspeito ou confirmado da covid-19.

“Dessa forma, estamos incluindo esses exames para ampliar as possibilidades de diagnóstico e, assim, buscar uma resposta mais rápida e efetiva para salvar vidas”, diz o presidente substituto da ANS, Rogério Scarabel.

Esta é a segunda inclusão extraordinária de procedimentos relacionados ao novo coronavírus no rol de procedimentos da ANS. Desde o dia 13 de março, os planos de saúde são obrigados a cobrir o exame ‘Pesquisa por RT-PCR’, teste laboratorial considerado padrão ouro para o diagnóstico da infecção do novo coronavírus.


Notícias Relacionadas »