18/06/2021 às 11h11min - Atualizada em 21/06/2021 às 00h00min

Biscoitagem ou Marketing Pessoal?

(*) Shirlei Miranda Camargo

SALA DA NOTÍCIA NQM
http://www.uninter.com
Divulgação
Você conhece o termo “biscoiteiro” utilizado nas redes sociais? Biscoiteiro é aquela pessoa que publica algo nas redes para chamar a atenção e ganhar curtidas. O significado vem de uma comparação com cães que esperam ganhar um “biscoito” quando fazem algo legal.  

Mas pensando bem, todo mundo é biscoiteiro, desconheço alguém que publique algo nas redes sociais e não espere ganhar curtidas, certo? Nesse sentido, alguns até podem me ver como uma super biscoiteira! A verdade é que não considero biscoitagem, não no sentido negativo da palavra, trata-se de marketing pessoal. Sei que muitos colegas torcem o nariz quando escutam a expressão “marketing pessoal”, pois é um tema que sempre descamba para o lado da autoajuda não muito confiável. Mas a sociedade mudou e estamos na era das redes sociais, em um cenário aonde quem não é visto não é lembrado. Logo, faz todo sentido falar de marketing pessoal, já que somos vistos como um produto, independente de nossa ocupação ou carreira. Claro que é uma metáfora, não estou querendo transformar ninguém em objeto. 

Sendo assim, “nossa divulgação” é sempre importante. E como nos divulgar enquanto “produtos”? Antes de tudo, certifique-se que você é um “produto de qualidade”! Se não for, busque obter mais conhecimento, mais habilidades, etc. Afinal, da mesma forma que um produto ruim não se sustenta no mercado por muito tempo, uma imagem falsa também não. Se você já tem um conteúdo interessante a oferecer, aí é hora de colocar a mão na massa e sugiro um passo a passo. 

Primeiro, não foque em apenas um aspecto de sua vida. Você vai se surpreender como as pessoas gostam de conhecer as diferentes facetas de uma pessoa, seus hobbies, passatempos, outras habilidades e bastidores. Inclusive isso pode lhe trazer oportunidades. Por exemplo, uma amiga conseguiu um trabalho porque alguém viu nas redes sociais que ela, além de jornalista, é bailarina, exatamente o perfil que precisavam. Tal atitude abre portas, amplia horizontes, oferece oportunidades que até então não seriam possíveis se estivéssemos naquela já antiga sociedade analógica. Aproveite esta possibilidade e a dica é fazer uma programação de conteúdos com seus diferentes aspectos, sempre equilibrando. 

Segundo, mostre que você é bom naquilo que faz. Divulgue suas conquistas, elogios que recebe, prêmios, feedbacks positivos e etc. Eu constantemente posto elogios dos meus alunos que, para a minha alegria, são muitos (olha a biscoitagem), e faço isso porque, além de realmente ficar muito feliz, estou divulgando meu trabalho. As redes sociais são canais para isso também. Um gestor pode visualizar estes conteúdos e formar uma imagem sua de bom profissional, até mesmo indicar seu nome em uma promoção. Ou alguém em busca de um profissional com suas características pode ver e lhe oferecer uma vaga. 

Terceiro, poste fotos bonitas. Cuide da iluminação, do enquadramento, da pose e dos aspectos físicos (cabelo arrumadinho, maquiagem básica, roupa bacana). Use filtro de imagens sem exagero para não parecer um boneco de plástico. E tenha paciência, para conseguir uma boa foto são necessárias umas 10 ou 15 tentativas. Ainda bem que agora é tudo digital, não estamos mais na época do rolo de filme. Pratique bastante, escolha a melhor foto e delete as outras. E cuidado com exageros ao representar você mesmo:  muitas fotos sem camisa, de biquíni ou lingerie e que estejam fora de contexto não pegam bem no quesito profissional. Assim como uma empresa toma todos os cuidados para divulgar uma boa imagem, você também deve fazê-lo com sua imagem pessoal. 

Por fim, como último conselho, fuja do radicalismo. Não é questão de ser falso, é claro que devemos ter opinião própria e liberdade para expô-la, mas sem exageros. Liberdade de falar significa liberdade de ouvir também, precisa ter esse preparo para os feedbacks. E precisamos aprender a praticar a comunicação não violenta, já ouviu falar? Sempre haverá alguém que dirá “olha lá, tá se achando de novo”. Pois eu acredito que todos nós deveríamos nos “achar”, no sentido positivo da palavra, para sermos mais felizes. Viva a biscoitagem! 
 
(*) Shirlei Miranda Camargo é coordenadora adjunta dos Cursos de Administração do Centro Universitário Internacional UNINTER 
 
Notícias Relacionadas »