29/01/2021 às 16h56min - Atualizada em 31/01/2021 às 00h00min

Vacinação é o primeiro passo da retomada para empreendedores

Com a vacinação, os brasileiros reforçam a esperança por dias melhores, porém, o cenário econômico ainda pede cautela e uma postura empresarial mais conservadora

DINO
http://vireiempreendedoreagora.com.br/


Apesar do início da vacinação contra a Covid-19 no Brasil ser um alento, o período é de muitas incertezas. É fato que haverá longos meses pela frente para que toda a população esteja imunizada e, com isso, a economia volte a trabalhar dentro da normalidade esperada. Para 2021, o Ministério da Economia estima o crescimento de 3,2% do PIB - Produto Interno Bruto. Ainda, de acordo com a Secretaria de Política Econômica, o país tem três desafios econômicos pela frente: geração de emprego, crédito e consolidação das contas públicas.

A alta na abertura de novas empresas foi um fator positivo para o país, uma vez que mostrou a versatilidade do povo brasileiro em driblar a crise e a aptidão empreendedora. Só em novembro de 2020, foram abertas 297.810 empresas, totalizando 19.744.641 milhões de empresas ativas em todo o território nacional.

"Certamente, essa tendência seguirá em 2021, motivada principalmente pelo mercado digital. O fato é que milhares de brasileiros perderam seus empregos e, de alguma forma, reinventaram-se. O empreendedorismo é o futuro do mundo, mas para tanto, as pessoas precisam estar preparadas para dar continuidade a este momento", comentou o administrador, contabilista e professor Carlos Afonso.

O que se esperar nos próximos meses?

O índice de contaminação da Covid-19 aumentou drasticamente de dezembro/2020 para cá e o Brasil tem registrado uma média móvel de mil mortes por dia. Fato este que leva os governantes a tomarem medidas de prevenção drásticas, a exemplo do governador de São Paulo João Doria, que na última sexta-feira (22), anunciou a regressão para a fase laranja do Plano São Paulo, a segunda mais restritiva. Outras seis regiões passaram para a fase vermelha, em que só atividades essenciais podem funcionar.

"Até que se tenha a maioria dos brasileiros vacinados e a efetiva imunização, vivemos essa volatilidade. Portanto, meu conselho é que todos continuem trabalhando bastante, apostando em novas ideias e construindo uma rede de relacionamento eficaz (networking). Não é momento para elevados investimentos, é fundamental ficar de olho no fluxo de caixa com um planejamento de longo prazo, para não deixar a reserva acabar", salientou o professor Carlos. Ainda existem setores buscando fôlego, a exemplo de eventos e alimentação fora do lar.

O especialista afirma que a tão sonhada normalidade ainda demora a chegar, e enquanto não houver sinais claros sobre uma retomada econômica, as empresas segurarão as contratações de novos funcionários e os investimentos que foram planejados. "Acredito que esses sinais deverão surgir no segundo semestre", avalia o professor Carlos.

Cenário macroeconômico

Aliado à vacinação, será preciso avaliar várias questões: a reforma tributária, os impactos do fim do Auxílio Emergencial no consumo, a equação fiscal do país, o comportamento da taxa básica de juros, a inflação associada à desvalorização do real, condições de crédito e inadimplência.

Para o empreendedor, sobretudo os MEI e ME, o Professor Carlos orienta a não descuidar da gestão de caixa da empresa, bem como controlar de forma intensiva os custos e as despesas do negócio, a fim de chegar da melhor forma possível até o início do segundo semestre.

"Em momentos críticos o caixa é rei. Ter liquidez é imprescindível para fazer frente aos compromissos, bem como superar essa fase. Tenha prudência e conservadorismo de modo a não comprometer o fluxo de caixa da empresa", pontuou. Além disso, é fundamental conversar com um contador sobre o melhor regime tributário para 2021, com base no faturamento de 2020 e nas projeções do seu negócio para o ano.



Website: http://vireiempreendedoreagora.com.br/
Notícias Relacionadas »