28/01/2022 às 14h33min - Atualizada em 30/01/2022 às 00h00min

Hora do Check up anual: 13% das mulheres não realizam consultas ginecológicas

Pesquisa do Datafolha mostra que cuidar da saúde íntima ainda é um tabu para as mulheres brasileiras; especialista alerta sobre as doenças ginecológicas silenciosas

SALA DA NOTÍCIA Redação
 

São Paulo - Janeiro de 2022 - O ano está começando e o ideal é colocar em dia todos os exames preventivos em dia, inclusive os ginecológicos. Esse tipo de cuidado permite descobrir doenças mais graves logo no início, o que pode fazer toda a diferença durante o tratamento. De acordo com a pesquisa realizada pelo Datafolha em parceria com a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), 5,6 milhões de mulheres do nosso país não costumam frequentar consultas ginecológicas. Esse número representa quase 13% da população feminina brasileira. Essa falta de procura pelo especialista pode gerar alguns problemas ginecológicos que são silenciosos, como a endometriose, a adenomiose e os miomas e isso pode acarretar em complicações na saúde dessas mulheres.
 

Segundo o especialista em saúde da mulher, Dr. Thiers Soares, doenças como a endometriose - doença inflamatória que ocorre quando o endométrio (tecido que reveste a parte interna do útero se expande para fora do órgão - podem ser diagnosticadas com um atraso de até 8 anos dos seus primeiros sintomas. Isso porque sem o devido acompanhamento, as mulheres podem interpretar os indicativos da doença como características “normais” do período da menstruação. “Muitas mulheres acabam não percebendo que têm endometriose porque os sintomas são semelhantes aos do período menstrual. Cólicas fortes, fluxo aumentado e indisposição. Mas quando esses sinais se tornam recorrentes, em todos os meses, já é a hora de investigar esse quadro”, conta Soares. 


Também, de forma silenciosa, podem ocorrer outras enfermidades, como os miomas. O cirurgião ginecologista explica que os miomas são tumores benignos que se formam no tecido muscular do útero e, apesar de serem nódulos identificados, não estão relacionados a nenhum tipo de câncer. Apesar de não ser considerado fator de risco, a doença pode gerar diversos desconfortos para a saúde da mulher. Os miomas podem ocasionar anemia e até mesmo a compressão dos órgãos próximos da região uterina, como a bexiga.
 

Outra doença que pode surgir sem ao menos as mulheres perceberem é a adenomiose. Ela é responsável pelo crescimento do tecido endometrial na parede interna do útero, e de forma silenciosa, afeta o funcionamento do órgão. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma em cada dez mulheres pode sofrer com a adenomiose, e a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) aponta que 35% das mulheres que têm esta doença são assintomáticas, e sua cura só acontece com a realização da histerectomia (retirada total do útero). Assim, a doença com sintomas comuns, quase imperceptíveis sem uma rotina de exames preventivos, passa a ser um dos principais fatores para a infertilidade feminina.
 

Para Thiers Soares, alguns tabus em relação à saúde da mulher ainda precisam ser quebrados, principalmente agora, aproveitando as campanhas como a do Outubro Rosa, que identificam também outras doenças femininas que aparecem de forma repentina na vida das pacientes. “Só a conscientização do autocuidado e o conhecimento sobre essas doenças silenciosas podem ajudar as mulheres a avançarem o sinal verde para seguir suas vidas e viverem melhor.” ressalta.


 
Notícias Relacionadas »