Exclusivo Cartão Marisa - 25% acima de 100 - site todo
20/08/2020 às 09h54min - Atualizada em 24/08/2020 às 00h00min

Promotora de eventos lança plataforma com inteligência artificial para realização de feiras de negócios no País

NürnbergMesse Brasil, promotora alemã que atua no País há mais de 10 anos,teve que inovar para realizar seus eventos e ajudar as indústrias.

http://www.fcecosmetique.com.br
Dino
Eventos de negócios promovem encontros digitais

A pandemia de COVID-19, mesmo com a flexibilização em algumas cidades, segue deixando duras marcas no mercado brasileiro. E um dos setores mais afetados nessa crise, com certeza, foi o de feiras e eventos, que, de acordo com o Sebrae, representava 4,32% do PIB e gerava cerca de 7,5 milhões de empregos diretos e indiretos.

Uma outra pesquisa da mesma instituição, realizada em parceria pela Associação Brasileira de Empresas de Eventos com a Associação Brasileira de Promotores de Eventos, mostrou que 98% das empresas do setor foram impactadas, com uma média de 12 eventos cancelados por empresa. O cenário é ainda mais preocupante com o dado que revela que 43% delas dispensaram funcionários para tentar equilibrar as contas.

Em São Paulo, os eventos de negócios podem retornar a partir do dia 12 de outubro seguindo todas as medidas de segurança e higiene definidas em conjunto pelas autoridades, promotoras de eventos e ainda as associações representantes do setor. Limite de pessoas por metro quadrado, horários agendados, processos automatizados e sem contatos, medição de temperatura e disponibilização de álcool gel são algumas das ações exigidas para a realização dos encontros de negócios.

Uma delas é a NürnbergMesse Brasil, promotora alemã que atua no País há mais de 10 anos, e teve que inovar para realizar seus eventos e ajudar as indústrias. "Este é um ano muito duro e os eventos são muito importantes para a economia, pois elas impulsionam a geração de negócios. Depois da Segunda Guerra Mundial, parte da reconstrução econômica da Alemanha se deve aos eventos", explica João Paulo Picolo, presidente da empresa.

A alternativa encontrada pelo executivo e seu time foi trazer uma plataforma estrangeira de eventos digitais. O usuário terá uma experiência completa de networking e conteúdo, onde, durante dois dias, poderá fazer encontros virtuais, encontrar os lançamentos dos expositores, agendar reuniões e ainda assistir uma intensa e reforçada grade de palestras ao vivo.

"Estudamos muito para encontrar a melhor forma de suprir essa ausência de eventos até que encontramos essa plataforma de Singapura, elaborada com inteligência artificial e que cruza os dados dos expositores com os visitantes. Então, os participantes vão ver oportunidades de negócios e lançamentos de acordo com o perfil da empresa, algo muito objetivo e ágil. O investimento e a dedicação foram grandes, mas acreditamos que será muito benéfico para o setor", explica Picolo.

Os primeiros eventos da empresa a utilizarem essa tecnologia são a FCE Pharma e a FCE Cosmetique, de importantes segmentos da economia brasileira. Os encontros presenciais das indústrias farmacêutica e cosmética aconteceriam simultaneamente no início de junho e tiveram que ser cancelados. Mas nem por isso o mercado ficará a "ver navios".

"Apresentamos a FCE Sessions, edição especial de 2020, nos dias 07 e 08 de outubro. Esses dois setores são muito importantes para o País, por isso, não poderíamos deixar sem um evento, o que geraria muitos prejuízos para a indústria. O encontro virtual não vai substituir o encontro físico nunca, ainda mais para os brasileiros que são tão calorosos e gostam do contato humano, mas, por hora, vai ajudar a recuperar os mercados e fazer a economia girar", explica o presidente da NürnbergMesse Brasil.

Otimista, ele acrescenta que, mesmo com as dificuldades que o mercado ainda tem pela frente, como um Carnaval fora de época e a duração da pandemia, o delicado momento foi uma oportunidade para as empresas se reinventarem e abrirem novos horizontes. "Acredito que ainda temos muito a evoluir, mas com certeza aprendemos muitas lições. A principal delas foi sobre a tecnologia em nossa rotina, também fizemos automação de processos internos e externos, aprimoramos cultura da empresa e home office, enfim, mudamos bastante coisa", conclui Picolo.


Notícias Relacionadas »