15/10/2021 às 11h02min - Atualizada em 16/10/2021 às 00h00min

Amigos do Bem anuncia apoio dos maiores e-commerces do Brasil

Magalu, GPA, Carrefour, Grupo Ri Happy, Amazon, Mercado Livre e Tatix Full Commerce são parceiros da instituição que atua no sertão nordestino

SALA DA NOTÍCIA Trama Comunicação
Divulgação
São Paulo, outubro de 2021 – A Amigos do Bem, que atua em diversas áreas para promover a inclusão social e romper o ciclo de miséria no sertão nordestino, anuncia parceria com os maiores e-commerces do Brasil. Magalu, GPA (grupo controlador das redes Extra e Pão de Açúcar), Carrefour, Grupo Ri Happy, Amazon e Mercado Livre estão oferecendo espaços em seus marketplaces, gratuitamente, para a instituição.

Por ser um projeto social, esses parceiros retiraram os custos das suas plataformas, que, normalmente, variam de 10% a 15% do que é vendido. No caso da Amazon, a varejista está comprando os produtos da Amigos do Bem para revenda com o selo Amazon Prime, ou seja, frete grátis sem valor mínimo de compra para clientes membros do programa de todo o país.

“Estamos muito felizes e gratos por essas parcerias que reforçam o compromisso das empresas em fazer o bem e nos ajudar a transformar tantas vidas no sertão nordestino, região mais carente do nosso país”, afirma Fernando Sanches, diretor de geração de recursos dos Amigos do Bem.  

Crescimento do e-commerce no Brasil e a busca pelo consumo consciente

Diante do cenário de pandemia no Brasil e no mundo, as compras por e-commerce tiveram aumento expressivo em 2020 e mantém a mesma tendência para 2021.  Dados da 44ª edição do relatório sobre comércio eletrônico no Brasil, elaborado pela Ebit | Nielsen e realizado em parceria com o Bexs Banco, apontam que o e-commerce bateu recorde de vendas no primeiro semestre de 2021, atingindo R$ 53,4 bilhões, um crescimento de 31% em relação ao mesmo período de 2020.

Aliado ao cenário de crescimento do e-commerce no Brasil, há um aumento significativo de buscas e compras de produtos sustentáveis. O  estudo “Tendências de consumo online de impacto positivo”, conduzido pelo Mercado Livre, apontou que, entre abril de 2020 e março de 2021, 3 milhões de usuários em toda a América Latina compraram produtos na categoria de Produtos Sustentáveis da plataforma – só do Brasil, foram 1,6 milhão de consumidores.

Por isso, para atender a essa demanda e a ajudar a manter o projeto que impacta a vida de 75.000 pessoas no sertão, os Amigos do Bem têm investido de forma consistente na disponibilização de seus produtos nos canais de e-commerce. “Nossos produtos são 100% sociais, produzidos pelas famílias do sertão e geram trabalho e renda. Estamos totalmente alinhados à essa busca pelo consumo consciente e sustentável de produtos”, avalia Sanches.

De acordo com Fernando, a parceria com os e-commerces já tem dado frutos. “Com o auxílio dessas empresas, o e-commerce da Amigos do Bem já alcança uma taxa de crescimento de 50% ao mês”, complementa.

Expectativa: inauguração de terceira fábrica - Os Amigos do Bem têm duas fábricas de beneficiamento de castanhas, em Pernambuco e no Ceará, além de duas outras na Cidade do Bem de Catimbau (PE), onde são produzidos doce de leite, de caju, mel e cocada. As pimentas são produzidas em Catimbau e Xexéu (AL).   

“Hoje nós temos duas fábricas de castanhas, que atendem os pedidos do e-commerce, das redes de supermercado e das empresas que compram os nossos Kits Corporativos para presentear clientes, funcionários e fornecedores. Mas por meio dessa parceria com grandes plataformas, a nossa expectativa é abrir uma terceira indústria para atender as demandas da venda online", conta Sanches.

Parceiro para o full commerce - Outro parceiro dessa iniciativa é a empresa Tatix Full Commerce, uma empresa Infracommerce, que viabiliza todo o funcionamento do e-commerce da Amigos do Bem sem custo. Os serviços incluem: implantação, administração, marketing e operação. Para isso, a companhia disponibiliza o centro de distribuição (CD) e os colaboradores gratuitamente para a instituição.

Produtos e-commerce - Os interessados em colaborar com a instituição, podem encontrar diversos itens à venda nessas plataformas. Já estão disponíveis os Presentes do Bem, 100% Solidários, kits que contêm itens variados da Amigos do Bem, e os produtos  individuais, como as linhas de castanhas de caju e pimentas feitas no sertão.  

Números da Instituição Amigos do Bem
• 75 mil pessoas atendidas todos os meses;
• 140 povoados atendidos no sertão de Alagoas, Pernambuco e Ceará;
• 10 mil crianças e jovens nos 4 Centros de Transformação;
• 180 mil refeições servidas todo mês para as crianças dos Centros de Transformação;
• 1.400 empregos gerados no sertão (Plantações, Fábrica de Beneficiamento de Castanha de Caju, Oficinas de Costura e Artesanato, Fábrica de Doces e Mel e Educadores e postos administrativos);
• 10.300 voluntários;
• 123 cisternas para levar água à população;
• 50 poços artesianos perfurados;
• Mais de 540 casas construídas;
• Mais de 187 mil atendimentos médicos e odontológicos por ano;
• Mais de 500 bolsas de estudo para faculdade;
• Mais de 845 milhões de litros de água distribuídos por ano.


Sobre a Amigos do Bem
A Instituição Amigos do Bem nasceu em 1993, com a iniciativa de um grupo de amigos de São Paulo liderados por Alcione Albanesi que, comovidos pela situação de miséria no sertão nordestino, se mobilizaram para ajudar a região. Ao longo dos mais de 27 anos de trajetória, a Instituição transformou milhares de vidas por meio de projetos de educação, trabalho e renda, acesso à saúde, água e moradia. Os Amigos do Bem atuam em diversas áreas para promover a inclusão social e romper o ciclo de miséria na região. Hoje, 75 mil pessoas são atendidas todos os meses, em 140 povoados do sertão de Alagoas, Pernambuco e Ceará. A instituição foi eleita a melhor organização do terceiro setor pelo prêmio Melhores ONGs de 2020 do Instituto Doar. Promovido pelo quarto ano consecutivo, o prêmio teve 670 inscritos e reconhece as melhores instituições avaliando questões como governança, transparência, comunicação e financiamento. Trata-se do maior prêmio e reconhecimento do terceiro setor.

Notícias Relacionadas »